terça-feira, 18 de novembro de 2014

TRABALHO COM VITRAIS

A LEVEZA DOS VITRAIS

"As janelas envidraçadas que estão nas igrejas e pelas quais se transmite a claridade do sol, significam as Santas Escrituras, que afastam de nós o mal, enquanto nos iluminam".
               (Pierre de Roissy, chanceler da Catedral de Chartres)

Catedral de Chartres teve a sua construção iniciada em 1145.
 No total, o edifício conta com mais de 150 janelas medievais com vitrais
a maioria delas do século XIII, que proporcionam um magnífico efeito
 luminoso ao interior do templo.


    Com o intuito de conhecer um pouco mais da cultura universal e trabalhar com a técnica do trabalho com vitrais, a professora de Arte, Eliane Costa Curta, desenvolveu com os alunos do 7º ano da E.B.M. Padre José Anchieta o projeto "A LEVEZA DOS VITRAIS". "Como vitral é um desenho elaborado com pedaços pequenos de vidro ou algum outro material semelhante (plastico, acrílico), optei em trabalhar com meus alunos, com papel celofane", diz a professora.



     Tendo florecido na Europa durante a Idade Média, os vitrais foram amplamente utilizados na ornamentação de igrejas e catedrais. O efeito da luz do Sol que eles penetravam, conferia uma maior imponência e espiritualidade ao ambiente. "Nessa época, a grande estatura das igrejas exigia que enormes janelas de vidro resolvessem os problemas com a iluminação. As janelas eram compostas com imagens, em sua maioria contendo cenas religiosas. Uma das características mais importantes dos vitrais é a variedade de cores", explica a professora Eliane.



     A professora comenta que apesar da arte dos vitrais ter sido desenvolvido durante a Idade Média, conseguiu torna-la atual e significativa para ser trabalhado em sala de aula."O envolvimento dos alunos na realização dos vitrais foi interessante. Durante a realização de pesquisa na internet, eles perceberam que apesar de ser uma arte antiga, esse tipo de arte é ainda muito valorizada pelos artesãos que utilizam para dar beleza às suas obras de arte'.


    Além de trabalhar o conteúdo curricular da disciplina de Arte estabelecido para o 7º ano, para desenvolver os vitrais os alunos tiveram que buscar conhecer um pouco mais sobre noções de formas geométricas e cores.





segunda-feira, 17 de novembro de 2014

LUDICIDADE, RECREAÇÃO E MOVIMENTO

CONHECIMENTO E CONTROLE CORPORAL A PARTIR DA PRÁTICA DOS ESPORTES

Mônica Araújo de Freitas, atleta chapecoense
campeã no salto em altura do "Trofeu Brasil 2014".

    Com o intuito de oportunizar o contato e a vivencia com a modalidade de atletismo, o professor de Educação Física, Jeferson Rodrigues de Oliveira, durante o 4° bimestre do ano letivo de 2014, na EBM Padre José Anchieta, está desenvolvido o projeto de Educação Física "CONHECIMENTOS E CONTROLE CORPORAL A PARTIR DA PRÁTICA DOS ESPORTES", com enfoque na modalidade de Atletismo. Diferentes jogos e brincadeira possibilitam os alunos a experimentar o se movimentar de uma forma lúdica e recreativa.

Prática do Salto em Altura.

   O salto em altura e com vara foram trabalhados com a utilização de cones, madeiras, cordas e colchonetes. No primeiro momento os alunos saltaram livremente, da maneira que eles achavam mais apropriado, no segundo momento houve a intervenção do professor com ensino da técnica do salto “ tesoura”, e a técnica de corrida para o salto, com impulsão em uma perna só.


Alunos aprimorando a técnica do salto em altura.

  Para o profissional da área, o objetivo principal do projeto não é trabalhar o atletismo para formar atletas de rendimentos e sim divulgar a modalidade para as crianças. "Quando meu aluno conhece alguns elementos do atletismo como modalidade esportiva olímpica, ele consegue refletir sobre a questão do gênero nas modalidades esportivas. Dessa forma, consegue interagir melhor, até mesmo quando acompanha alguma modalidade pela televisão", diz Jeferson.

Alunos superando limites e dificuldades.
Os Conteúdos desenvolvidos durante as aulas foram: conceituação do atletismo; jogos e situações próximas às da modalidade oficial; minicompetição oficial e as diferenças de gênero. "Pude perceber durante o desenvolvimento das atividades, que os alunos superaram limites e dificuldades de movimento ampliando suas possibilidades e conhecimentos da cultura corporal de movimento", comenta o professor.



Aceitando sugestão dos próprios alunos, como por exemplo atletismo no vídeo game (X-BOX), estão sendo realizadas diversas atividades, que envolvem a corrida e movimentos básicos. "Todos participam com êxito e satisfação". aponta Jeferson.

Interação virtual.
Jogos sobre atletismo no vídeo game é movimento garantido.

Durante as aulas, os alunos participaram de diferentes brincadeiras envolvendo corridas individuais e coletivas, jogos competitivos e cooperativos e que repercutiram na melhorias das capacidades motoras envolvidas no correr. "Ao fim de cada aula, o momento de conversa e reflexão faz com que o aluno compreenda o que foi praticado. Uma vez que correr é um dos movimentos básicos enfocados nesse esporte", exlipica  Jeferson. 


Martelo confeccionado pelos alunos.
Materiais utilizado: jornal e barbante.

O lançar e arremessar são trabalhados com a utilização do martelo e peso. Os próprios alunos construíram os equipamentos, com jornais, barbantes e fitas adesivas. "A confecção dos equipamentos pelos alunos foi interessante, pois eles puderam perceber que materiais alternativos podem oferecer possibilidades de movimentos. Desmistifiquei dessa forma, aquela ideia de que é necessário ter  materiais convencionais utilizados na prática do atletismo, como o peso, o disco e o martelo", conclui o educador. 


Professor Jeferson Rodrigues de Oliveira orientando
 o aluno Weslei Stédile.